Área de Estudo

Góis

Parceiro responsável
Coordenadas
Latitude: 40º09'18.25" N
Longitude: 8º06'38.36" W
Altitude (m)
200-1200
Área (km2)
263.72

Galeria

Localização

  • O município de Góis localiza-se na Região Centro de Portugal (NUT II), pertence ao Distrito de Coimbra, enquadra-se na NUT III do Pinhal Interior Norte e enquadra 5 freguesias.
  • É limitado a Norte pelo Concelho de Arganil, a Noroeste por Vila Nova de Poiares, a Sudoeste por Castanheira de Pêra e por Pedrógão Grande, a Este pela Pampilhosa da Serra e a Oeste pela Lousã.
  • Enquadrado na Serra da Lousã, a sede de concelho desenvolve-se ao longo do Vale do Ceira, entre as Serras do Carvalhal e do Rabadão.

Descrição Bio-fisíca

  • Regista valores de precipitação entre os 1200 mm e os 1400 mm por ano;
  • Predominam os solos pobres e ácidos, com pH entre os 4,6 e os 5,5; Cambissolos Húmicos (xistos e quartzitos);
  • Na maior parte do território os declives variam entre os 20% e os 25%;
  • Destacam-se as formações sedimentares e metamórficas de xistos e grauvaques (complexo xisto-grauváquico);
  • A floresta representa cerca de 77% (20254 ha) da área de Góis, seguida dos incultos com 18% (4674 ha). A área agrícola representa apenas 3% (806 ha).
  • Na área florestal de Góis predomina o povoamento misto de eucalipto, pinheiro e ainda de acácias (73%), seguido do pinhal e eucaliptal, com 12% e 11%, respectivamente. As folhosas têm uma expressão de apenas 4%. Entre 1996 e 2004 arderam cerca de 6822 ha, num total de 142 ocorrências de incêndios florestais.

Descrição Socio-económica

  • 4552 habitantes / densidade populacional de 17,29 hab/km2 (2005);
  • Entre 1991 e 2001 registou uma taxa média de crescimento demográfico negativa, na ordem de 1% ao ano;
  • Entre 1981 e 2005 registou uma perda acentuada de população, na ordem dos 29%;
  • 14% da população activa no sector primário e cada vez mais envelhecida (39% tem mais de 64 anos);
  • Pirâmide etária invertida. Índice de envelhecimento de 287;
  • Sector primário caracterizado predominantemente por pequenas exploraçõesde carácter marcadamente familiar, com uma área média de aproximadamente 5 ha, onde a maioria dos blocos se encontra a baixo dos 2000 m2;
  • Entre 1989 e 1999 verificou-se uma reestruturação das actividades silvo-pastoris, pois apesar do número de explorações agrícolas ter decrescido 41%, a SAU aumentou 9%.

Mapa